Seja bem-vindo ao Alison Oliver Brasil, sua maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Alison Oliver. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Somos um fã site não-oficial, sem fins lucrativos e não possuimos qualquer ligação com Alison Oliver, sua família ou seus representantes. Esperamos que goste e volte sempre!


Atualmente, a peça ‘Women, Beware the Devil‘ está em cartaz no Teatro Almeida em Londres, Inglaterra. Alison, que faz parte do seu elenco, e a escritora Lulu Raczka conversaram sobre trazer sexo, violência e mulheres verdadeiramente desagradáveis com a produção ao jornal britânico iNews. Confira a entrevista traduzida em sua íntegra abaixo:

Eu amo personagens realmente maus e difíceis”, cacareja a dramaturga Lulu Raczka, enquanto toma uma Coca Diet em um café chique de Islington (que não vende cervejas tão potentes, então ela teve que trazer a sua própria). É a autora da nova peça ‘Women, Beware the Devil‘, que vai trazer sexo, violência e magia negra ao Teatro Almeida. “Não é uma peça particularmente legal”, explica ela, “mas deve ser divertida”.

 

Situada em uma mansão do século 17, a história gira em torno de Agnes, uma serva coberta de lama que é acusada de usar bruxaria para matar uma vaca e depois é manipulada em esquemas perversos pela dona da casa. Depois de uma performance memorável na adaptação da BBC do romance de sucesso de Sally Rooney, ‘Conversations With Friends‘, no ano passado, a estrela em ascensão Alison Oliver interpreta Agnes, enquanto ensaia simultaneamente para o seu papel no próximo revival do National Theatre de ‘Dancing at Lughnasa‘ durante o dia. Oliver está otimista com essa agenda agitada. “Vai ser muito emocionante correr de Waterloo para Islington todas as noites para estar no show.

 

Oliver tem uma personalidade naturalmente otimista que se choca de forma divertida com a visão de mundo cínica de Raczka. “Alison é tão ensolarada, mas ela pode sugerir a escuridão fenomenalmente bem”, diz Raczka. “Ela não vê sua personagem como má, mas definitivamente é.

 

Agnes não é a única maçã podre em ‘Women, Beware the Devil’. “São mulheres infligindo violência a outras mulheres por todos os meios”, diz Raczka. “Violência psicológica, violência física. Elas são terríveis!”

 

Raczka se inspirou no drama jacobino, que refletia o tumulto político na Inglaterra do século XVII com peças fascinadas por derramamento de sangue, ambição e a natureza do mal. Essa visão preconceituosa da natureza humana é um antídoto revigorante para uma paisagem teatral moderna que costuma escrever mulheres legais e simpáticas (basta olhar para os shows recentes centrados nas mulheres, como o musical sufragista ‘Sylvia‘, atualmente no Old Vic). “Não estou interessada em heróis”, diz ela. “E eu acho ótimo quando as mulheres são realmente horríveis de uma maneira especificamente feminina.

 

Em ‘Women, Beware the Devil’, esse mal se mostra no papel de Elizabeth, que como uma nobre é impedida de possuir propriedades ou construir uma vida para si mesma – então ela descaradamente manipula seu irmão para fazer o que ela quer.

 

Acho irritante a maneira como muitas personagens femininas são escritas como se pudessem ser um homem, mas têm nome de mulher”, diz Raczka.

 

Devido à maneira como a sociedade funciona, as mulheres veem as coisas de maneira diferente e agem de maneira diferente. Eu estava interessado em explorar isso.

 

‘Women, Beware the Devil’ é a primeira vez que Raczka escreve para um grande palco, e isso veio com desafios. “Atrasei um ano na entrega da minha peça – todos no Almeida ficaram muito chateados com isso”, explica ela, um pouco triste. “Mas escrever para um palco maior é um desafio enorme. Você precisa de grandes ideias.

 

Esse desafio está sendo preparado há quase uma década. A peça de estreia de Raczka foi ‘Nothing‘, de 2014, que ela escreveu para a companhia de drama estudantil da Warwick University, Barrel Organ. Ganhou o prêmio de dramaturgia jovem do Sunday Times no National Student Drama Festival. Então, as suas explorações niilistas da violência e inutilidade da vida moderna conquistaram fãs na periferia de Edimburgo, onde a crítica Lyn Gardner elogiou Raczka por ter “uma voz tão distinta e totalmente formada que é difícil acreditar que ela seja tão jovem”.

 

Raczka manteve contato com os seus colegas da Barrel Organ, a maioria dos quais fizeram carreiras de sucesso como roteiristas, diretores e atores de teatro. Um ano depois de ‘Nothing’, o seu colega estudante da Warwick University, Sam Steiner, teve um sucesso marginal em Edimburgo com ‘Lemons Lemons Lemons Lemons‘ – uma peça que está passando no West End, estrelada por Jenna Coleman e Aidan Turner. Então, o que há com a Warwick University? Algo na água?

 

Não há mais nada para fazer lá”, diz Raczka. “Na verdade, não há vida noturna em Warwick. Se você quer se divertir, vá estudar em Manchester. Portanto, há uma certa auto-seleção nas pessoas que escolhem estudar lá e uma certa dose de nerdismo teatral”.

 

Raczka teve muitas peças produzidas desde a sua estreia, incluindo o thriller nervoso ‘A Girl in a School Uniform‘ (2018, New Diorama) e ‘Gulliver’s Travels‘ (2022, Unicorn Theatre). Mas elas foram para espaços pequenos. Por que ela demorou tanto para colocar as mãos em uma comissão de palco principal? “Não sei”, ela diz, “mas me sinto muito sortuda por ter dado esse salto agora, porque sinto que será muito mais difícil no futuro”.

 

Ela aponta para as oportunidades cada vez menores para uma geração mais jovem de criadores de teatro. “Quando me formei, o sonho de ir para o Edinburgh Fringe, ser escolhida e fazer um tour ainda era viável”, diz ela. “Nove de nós ficávamos em um apartamento de dois quartos, espremidos como sardinhas.”

 

Fazer isso parece muito mais difícil agora.” Nos anos seguintes, os custos de acomodação dispararam. E, neste mês, os organizadores do Edinburgh Fringe alertaram que o festival provavelmente encolherá um terço em 2024, já que a cidade introduz novas regras que dificultam o aluguel de casas para os visitantes.

 

Felizmente, os dias de esperança de Raczka em chamar a atenção dos agentes de turismo na orla de Edimburgo já passaram. Hoje em dia, ela mistura peças escritas com trabalhos de TV em programas, incluindo o drama histórico da Netflix, com enredo tenso e agradavelmente sombrio, ‘Medici: Masters of Florence‘.

 

Ser forçada a escrever algo que não é sua ideia torna você mais versátil”, diz ela. “Além disso, sou obcecada por TV, então realmente adoro isso. Se você quer ser um escritor em tempo integral, não pode apenas trabalhar no teatro porque é pago, tipo, uma vez a cada cinco anos.

 

A jornada de uma década de Raczka para trabalhar no Almeida não poderia ser mais diferente do sucesso da noite para o dia da estrela de sua peça, Alison Oliver. A jovem atriz conseguiu a impressionante façanha de se formar direto da Lir Academy de Dublin para o seu papel em ‘Conversations With Friends’, de Sally Rooney, antes de conseguir um papel no próximo filme de Emerald Fennell, ‘Saltburn‘.

 

Ela faz parte de uma geração de atores irlandeses que estão conquistando a TV e o cinema: após o seu aclamado papel em ‘Normal People‘ (2020) da BBC, o seu colega de classe Paul Mescal acaba de receber uma indicação ao Oscar por seu papel em ‘Aftersun‘. “As mais recentes indicações ao Oscar são a maior representação irlandesa que já tivemos”, diz Oliver. “Parece que estamos em ascensão e tenho orgulho de fazer parte disso da maneira pequena que sou.

 

Apesar de percursos diferentes e personalidades contrastantes, é evidente que as duas têm gostado de trabalhar juntas, numa sala de ensaios dirigida pelo diretor artístico do Teatro Almeida, Rupert Goold, a quem Raczka descreve como “muito exigente, no bom sentido – fizemos muitas mudanças, mas estamos notavelmente na mesma página”.

 

Tive muita sorte de começar a minha carreira trabalhando com escritoras”, diz Oliver. “Elas são particularmente brilhantes em escrever mulheres ferozes, descaradas e complexas que estão no comando de suas histórias.

 

E ‘Women, Beware the Devil’ certamente demonstra o feminismo em ação, embora de um tipo distorcido, onde as mulheres podem ser tão estranhas, violentas e perturbadoras quanto os homens, à sua maneira distinta.

 

‘Women, Beware the Devil’ está no Teatro Almeida até 25 de março.

  • Fonte I Traduzido e Adaptado por: Laura I Equipe do AOBR